CADASTRO  ::   CLASSIFICADOS  ::   FALE CONOSCO   ::   PARTICIPE   ::   ANUNCIE
:. Página Inicial
:. Adicionar aos Favoritos
Google
  CIENTÍFICA
  Cursos
  Fórum
  Links

 
  WEBTURMAS
  Mural

  Turmas
  
  SERVIÇOS
  
  UTILIDADES
  
 
 
Notícia 05/12/04

SUBSTITUTIVO AO PL DO ATO MÉDICO PREOCUPA CFO

Parecer apresentado pelo senador Tião Viana (PT-AC) propõe mudanças que, segundo o presidente Miguel Nobre, podem transformar o Ato Médico em mero "Ato Corporativo". CFO está em estado de alerta

Os últimos fatos gerados em torno do Projeto de Lei 25/02, também conhecido como Ato Médico, deixaram o Conselho Federal de Odontologia em estado de alerta. O parecer apresentado pelo senador Tião Viana (PT-AC) - médico - foi favorável ao texto proposto pelo senador e também médico Geraldo Althoff (PFL-SC). Nele, há mudanças que colocam em risco a autonomia do exercício da odontologia.

Em seu substitutivo, Viana torna explícito que são privativas de médico as funções de coordenação, chefia, direção técnica, perícia, auditoria, supervisão e ensino vinculadas, de forma imediata e direta, a procedimentos médicos. Para o consultor parlamentar do CFO, Cid Brügger, sob esta ótica, a princípio estariam garantidas também as funções dos profissionais de odontologia na sua abrangência. "Contudo, para que fosse este o entendimento, o art. 2º não poderia fazer referência apenas ao Conselho Federal de Medicina, mas também aos conselhos de outras profissões, como, por exemplo, o de Odontologia, sob pena de configurar invasão de competência".

Pouco tempo após a divulgação do parecer, o Conselho Federal de Medicina, principal articulador do PL 25/02, enviou um ofício ao CFO no qual esclarece que "o posicionamento do Conselho Federal de Medicina em relação ao Ato Médico é o que consta no projeto original do senador Geraldo Althoff, onde está reconhecido o direito dos odontólogos atuarem dentro dos limites estabelecidos na Lei que cria a sua profissão".

Segundo ainda o consultor Cid Brugger, de qualquer modo, mesmo que o substitutivo do senador Tião Viana se transformasse em lei a legislação que disciplina o exercício da odontologia não seria afetada.

O ofício do CFM ainda diz o seguinte: "Em conversa com o senador Tião Viana, o mesmo esclareceu que a atual redação do Projeto de Lei deu-se por orientação de sua assessoria técnica legislativa. Mas que a redação anterior retornará quando da apreciação do Projeto novamente pela casa".

Para o presidente do CFO, Miguel Nobre, o Ato Médico não deveria ficar marcado como um "Ato Corporativo". "Mas para isso, e para manter a coesão das equipes de saúde é preciso que as autonomias e as conquistas sejam preservadas". O projeto, aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça em junho, será remetido diretamente ao plenário da Câmara para votação, caso passe na Comissão de Assuntos Sociais - onde está no momento - sem precisar de votação no Senado.

Manifestações contra o Ato Médico

No dia 16 de setembro, estudantes e profissionais de 12 categorias da área de saúde conseguiram adiar a votação na Comissão de Assuntos Sociais do Senado do projeto de lei que define o Ato Médico e assegura apenas aos graduados em Medicina prerrogativas na indicação de tratamentos e na ocupação de cargos de chefia.

Houve manifestações de rua em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Santos, além de outras cidades. Os manifestantes de Brasília fizeram um ato em frente ao Congresso Nacional e conseguiram uma reunião com a senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO), presidente da Comissão de Assuntos Sociais.

A senadora prometeu aos representantes somente votar o projeto após a realização de audiência pública sobre o assunto - após as eleições municipais de outubro.

Veja a íntegra do ofício do CFM para o CFO

Ofício CFM número 2934/2004-PRES
Brasília, 13 de setembro de 2004

Senhor Presidente,

Informamos a V.Sa que o posicionamento do Conselho Federal de Medicina em relação ao Ato Médico é o que consta no Projeto Original do Senador Geraldo Althoff, onde está reconhecido o direito dos Odontólogos atuarem dentro dos limites estabelecidos na Lei que cria a sua profissão.

Em conversa com o Senador Tião Viana, o mesmo esclareceu que a atual redação do Projeto de Lei deu-se por orientação de sua assessoria técnica legislativa. Mas que a redação anterior retornará quando da apreciação do Projeto novamente pela Casa.

O Conselho Federal de Medicina continuará defendendo no Congresso Nacional para que esta situação continue resguardada, bem como a das outras profissões em relação aos ordenamentos jurídicos.

Atenciosamente,
Edson de Oliveira Andrade, presidente do CFM

Ilmo Sr.
Dr. Miguel Álvaro Santiago Nobre
Presidente do Conselho Federal de Odontologia

fonte: CFO, Outubro de 2004.
PARTICIPE
Envie seus artigos para a equipe webodonto.com e veja eles publicados.
CONSULTE
Agora temos o DEF on-line para consulta a qualquer momento.
CURSOS
Curso de Atualização promovido pela Universidade de Passo Fundo.
DOWNLOADS
Novo Código de Ética Odontológico em vigor desde 20 de maio de 2003.
CONGRESSOS
Os principais congressos nacionais e internacionais estão agendados aqui!!
 

IMPRIMIR   ::   TOPO   ::   PÁGINA INICIAL   ::   FALE CONOSCO   ::   ANUNCIE
Todos os direitos reservados. Copyright© 2002/2005, www.webodonto.com ®