SITE ODONTOLOGIA BRASIL
 
 

CADASTRO  ::   CLASSIFICADOS  ::   FALE CONOSCO   ::   PARTICIPE   ::   ANUNCIE
:. Página Inicial
:. Adicionar aos Favoritos
Google
  CIENTÍFICA
  Cursos
  Fórum
  Links

 
  WEBTURMAS
  Mural

  Turmas
  
  SERVIÇOS
  
  UTILIDADES
  
 
 
Notícia 30/05/05
DOAÇÃO DE DENTES AUXILIA NO ENSINO E PESQUISA EM ODONTOLOGIA

Uma moça com asas e chapéu de fada entra na clínica à procura de dentes extraídos: essa é a imagem que os membros colaboradores do Banco de Dentes Humanos (BDH) da Faculdade de Odontologia (FO) da USP querem deixar na memória das crianças para incentivar a doação. Nas clínicas da FO, uma funcionária fantasiada de Fada dos Dentes será a responsável pela coleta. As doações permitem ao Banco armazenar cerca de oito mil dentes, que são usados em pesquisas e aprendizagem.

O BDH surgiu em 1996 por uma iniciativa pioneira do professor da FO, José Carlos Imparato, para o fornecimento de dentes para pesquisa a alunos e pesquisadores. "Os professores pediam muitos dentes aos alunos e eles os obtinham em cemitérios ou compravam. Isso é ilegal, é comércio de órgãos", conta Imparato, que também é coordenador técnico-científico do BDH.

Outro objetivo era a conscientização dos professores da dificuldade em obter dentes humanos. Alessandra Nassif, doutoranda da FO, conta que os professores chegavam a pedir uma arcada inteira para cada aluno, mas hoje esse número diminuiu para oito dentes por aluno da graduação.

Pesquisa

No começo, o Banco usava os dentes para colagem, isto é, transplantava dentes doados em pacientes. Com o tempo, surgiram técnicas mais simples e o Banco se redirecionou para armazenamento de dentes para pesquisa.

O foco atual é o de oferecer dentes para alunos de graduação e pós-graduação, para pesquisas, e para professores usarem em suas aulas, quando não é possível utilizar dentes artificiais. O BDH divide-se em Divisão Decídua, que armazena dentes-de-leite para pesquisa, e a Divisão Permanentes, que oferece dentes para ensaios pré-clínicos dos alunos.


Os dentes são conservados sob refrigeração até o momento da esterilização

Os dentes são levados para o Banco depois de os doadores assinarem um termo de doação. Lá, são lavados com sabão e armazenados em recipientes com água, dentro de uma geladeira. Os dentes permanentes que apresentam tártaro ou outro tipo de contaminação são raspados.

A esterilização acontece quando o dente vai ser usado. "O tipo de solução que vai ser usada para esterilização depende do objetivo da pesquisa, por isso deixamos que o próprio pesquisador escolha", explica Alessandra. Os dentes para os graduandos são esterilizados no Banco.

Futuro

Todo ano, em setembro, a FO monta na reunião anual da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Odontologia (SBPqO) um Consultório Científico, onde explica o funcionamento do Banco para faculdades de Odontologia interessadas. Também são procurados na própria faculdade: A Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB), a Unesp de Araraquara e a Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP), entre mais de cem universidade de outros Estados brasileiros e países da América Latina, já consultaram o BDH.

"Estamos tentando parcerias com hospitais e prefeituras com o objetivo de conscientizar a todos de que o dente é um órgão. Queremos funcionar como um banco de órgãos", explica Imparato. Mostrar para as crianças a importância da doação é outro objetivo: "Eles doam os dentes hoje. Mais adiante, podem se tornar doadores de órgãos".

fonte: Agência USP, Março de 2005.
PARTICIPE
Envie seus artigos para a equipe webodonto.com e veja eles publicados.
CONSULTE
Agora temos o DEF on-line para consulta a qualquer momento.
CURSOS
Curso de Atualização promovido pela Universidade de Passo Fundo.
DOWNLOADS
Novo Código de Ética Odontológico em vigor desde 20 de maio de 2003.
CONGRESSOS
Os principais congressos nacionais e internacionais estão agendados aqui!!
 

IMPRIMIR   ::   TOPO   ::   PÁGINA INICIAL   ::   FALE CONOSCO   ::   ANUNCIE
Todos os direitos reservados. Copyright© 2002/2005, www.webodonto.com ®